[Tutorial] Manual Táctico

Ir em baixo

[Tutorial] Manual Táctico

Mensagem  Admin em Dom Fev 05, 2012 11:59 am

Como criar uma táctica?


Quando se cria uma táctica uma das mais importantes perguntas que têm que fazer a vocês mesmos é, que tipo de jogo pretendo definir?
Umas pessoas gostam de jogar em constante contra-ataque e esperar na retranca pelo erro adversário, conseguindo assim jogos com poucos percalços e às vezes goleadas consideradas impossíveis. Outras gostam mais de dominar o jogo, com temporização lenta e passe curto, gostam de utilizar a técnica pura dos seus médios para criar desequilíbrios na área adversária e assim construir jogadas de excelente recorte técnico. Há ainda aqueles que gostam do futebol bonito, mais à inglesa, futebol directo de pé para pé, centrado nos avançados, que invariavelmente têm que saber finalizar mas acima de tudo têm que ter muita predisposição física para correrem a toda a extensão da linha atacante. Existem mais tipos de jogo, mas estes são os mais conhecidos e também os que melhores resultados dão.

Seguidamente apresento um modo diferente de percepcionar as questões técnico-tácticas inerentes a cada estilo de jogo.


......


O que fazer? Como ganhar?



Como dizem muitos treinadores conhecidos, deve-se pensar jogo a jogo e nunca utilizar sempre a mesma opção táctica com o risco de se cair no conformismo e criar situações de desvantagem com o adversário a conhecer a nossa estratégia.
O FM não é diferente nesse aspecto. Na versão 2007 do nosso manager predilecto a IA (inteligência artificial ou engenho mental) do jogo chegou a um estágio superior de evolução. Onde antes falhava em momentos cruciais, agora consegue percepcionar ao pormenor todas as questões que giram à volta do jogo.
Para sermos bem sucedidos nos “nossos saves” de FM, necessitamos de conhecer um pouco como funciona a IA do jogo. Para isso não basta fazermos uns jogos com aquela táctica sacada, ou pedirmos ao adjunto para fazer a equipa todas as semanas, ou ainda pedir àquele amigo umas dicas para melhor jogar. É isto que quero que entendam, porque este manual que criei não vem para ser o milagre da santinha, nem tão pouco pretende ser a Bíblia de todos os novos jogadores de FM, pretende isso sim, ajudar todos aqueles que por uma ou outra razão raramente conseguem criar uma táctica decente ou nem tão pouco conseguem perceber as questões tácticas mais simples.

Para ganharmos estaleca de manager, precisamos de compreender cada pormenor que envolve a criação de uma táctica. Pegando num exemplo simples, eu gosto particularmente de criar tácticas com 3 defesas porque sou adepto do futebol vistoso da Holanda e idolatrei os sistemas tácticos do passado. Sendo assim ao iniciar um novo save, construo uma táctica base tendo em conta o clube e a situação onde me encontro. A primeira coisa a fazer é pegar numa das tácticas base do FM e ir ao longo do tempo mudando as instruções de modo a que se adeqúem ao estilo que pretendemos.

Para conseguirmos ganhar jogos e principalmente ganhar títulos precisamos de construir mais do que uma táctica base, porque se jogarmos contra uma equipa fraquinha que joga no contra-ataque, não vamos querer jogar à defensiva, à espera do erro adversário, pois esse é o jogo que a IA quer que nós façamos. Como também ao jogarmos contra uma equipa muito forte não vamos querer jogar sempre ao ataque, com futebol rápido e sem cessar, ou vamos ver-nos numa situação de desvantagem.

Seguidamente vamos estudar todos os aspectos inerentes às tácticas e vamos também ver como se pode alternar um sistema defensivo com um sistema atacante.


Primeiras Considerações:



MENTALIDADE

Na minha opinião é o aspecto mais importante aquando de criar uma táctica, pois é esta instrução que define como todos os jogadores da equipa vão “pensar” o jogo. Como em todas as situações, deve haver um balanço positivo entre o pior e o melhor, ou neste caso entre a mentalidade ofensiva e a defensiva. Não podemos esquecer que se damos uma mentalidade defensiva a toda a equipa esta vai jogar sempre muito à defesa, vai criar muito poucas oportunidades e sempre que possível vai ter muitos jogadores atrás da linha da bola. Tão verdade como se instruirmos mentalidade ofensiva a toda a equipa esta vai invariavelmente sofrer muitos golos estapafúrdios porque quase todos os jogadores têm tendência a subir na altura de criar situações de perigo.
Uma coisa que temos de ter em conta quando damos instruções de mentalidade à equipa é tentar perceber a quem dar essa mesma instrução. Por exemplo, se queremos ter uma equipa normalmente ao ataque, podemos meter mentalidade ofensiva (1,2,3,4 ou 5 onde estes números equivalem à intensidade da mentalidade) de nível 2, mas tendo em atenção que por exemplo nas instruções individuais devemos dar aos defesas e médio defensivo uma mentalidade “normal” ou “defensiva” para encontrarmos aquele equilíbrio entre as zonas do terreno.

_____________________________________

LIBERDADE CRIATIVA

Este é um daqueles aspectos “self-explanatory” (explicam-se a eles mesmo), porque a liberdade criativa é mesmo o que se lê, é a liberdade que se pretende dar aos jogadores na táctica que estamos a criar. Se damos muita liberdade a todos os jogadores estes vão-se perder normalmente em jogadas inócuas e vão descurar o aprumo táctico. Mas também acontece o reverso da medalha, pois ao darmos pouca liberdade a todos os jogadores vamos estar a criar uma mentalidade do “se não fintas eu também não finto” e todas as jogadas vão acabar por ser muito “mastigadas” e muito denunciadas o que leva a uma quase nula acção ofensiva, e mesmo quando se chega à área contrária os lances vão ser quase sempre ganhos pela defesa contrária a não ser que tenhamos na equipa Va Va Vooms e Van Nistelrooys.
Que fazer então? Ao começar uma nova táctica deve-se ter em conta os jogadores que vão fazer parte dela, pois não vamos querer dar muita liberdade a um palonço que nem 10 tem de criatividade certo? Bom começando pelo mais simples deve-se filtrar o plantel por criatividade e depois separarmos aqueles que pensamos terem qualidade para o 11 inicial e aqueles que vão ser suplentes.

Numa táctica “só” devemos dar muita liberdade criativa a três ou quatro jogadores para que a equipa mantenha a coesão táctica e não parta em situações de fintas maradas e que raramente dão nalguma coisa. Se se joga com dois extremos bem abertos pode-se dar liberdade criativa grande porque estes vão querer jogar ao ataque, fintar e cruzar para o(s) avançado(s) e vão também querer iludir os adversários com jogadas astutas e plenas de abuso técnico.
Na minha opinião se jogam com 4 elementos mais avançados, deve-se dar liberdade a três desses jogadores e manter o equilíbrio táctico, dando pouca liberdade ao restante conjunto. Se jogam com 3 elementos avançados (ex. 2 extremos e 1 avançado) deve-se dar muita liberdade a estes três porque as compensações vão ser efectuadas pelos jogadores mais recuados.

_____________________________________

TEMÁTICA DO PASSE - Nem sempre o uso é de senso comum...

Tipificações de passe? Em que consiste realmente o estilo ou forma de passe? Que definições se pretendem atingir quando se dá instruções de passe específico aos jogadores? Os treinadores de FM e em certo ponto na realidade, deparam-se sempre com o dilema do passe, que estratégia definir nas diferentes zonas do terreno, defesa, meio-campo e ataque. Que instruções dar a certo jogador...

Tudo gira à volta da estratégia que se pretende impor, e da conclusão que se quer fazer. Se se pretende englobar toda a táctica numa unificação de passe é bom verificar todos os jogadores que dela irão fazer parte, isto porque um jogador com passe inferior a 10 nunca vai conseguir ter boas notas a jogar em passe directo, porque além de não ter habilidade para o fazer invariavelmente vai dar a posse de bola ao oponente e aí criar debilidades construtivas e de organização. Depois de verificada a equipa deve-se pensar num todo, no sistema global da equipa e do jogo.

Para isso o FM é mestre em dar oportunidade e hipóteses de trial/error (tentativa / erro) onde cada treinador pode decidir que estilo adoptar em certa altura e em determinada situação.
No FM existem 4 tipos de passe onde 3 (curto, directo e misto) podem ser adaptados e 1 é o que é (longo), ou seja, não pode ser alterado. O Passe curto é o passe típico de situações de controle onde a equipa deve jogar em comprimento curto para não deixar espaços no seu meio-campo e onde a defesa deve jogar mais alta, mais pressionante, para não criar vazios de terreno entre a zona de transição defesa-ataque. O Passe directo quer-se para situações de vantagem posicional, transições de contra-ataque e situações em que o oponente está a jogar em pressão alta. Cada estilo de passe tem as suas próprias características e cada um deve ser pensado e utilizado nas situações correctas. Muitos podem argumentar que uma equipa tanto faz jogar em passe directo ou em passe curto, jogam da mesma maneira. Mas eu falo por experiência e muita dedicação, onde às vezes até o trabalho e a faculdade ficam para trás e prefiro dedicar mais tempo ao lazer(neste caso FM). Isto porque não querendo parecer demasiado convencido mas sinto que acabei por desfeitear a IA da 7.0.1. Com muito estudo consegui descobrir várias teorias de passe e vou apresentar seguidamente essas mesmas conclusões. Tanto para os utilizadores mais novatos como para os experientes que queiram ouvir e ler outras opiniões.

Passe Curto – Deve ser usado em teoria no meio-campo onde se quer a bola controlada, com temporização lenta para o jogo ser pensado e comprimento curto para permitir que a zona de transição com mais risco (defesa-ataque) não sofra descompensações desmesuradas. É utilizado este tipo de passe em jogos em que o adversário pressiona só na sua defesa, e onde se pretende controlar os acontecimentos. O que não quer dizer que a equipa tenha mais posse. Porque apesar de controlar mais a bola pode dar a situação de jogo ao adversário para nas saídas com bola utilizar-se esse jogo pensado para criação de muitas oportunidades de ataque.

Passe Directo - Tipo de passe direccionado para o contra-ataque, diga-se o que se disser. Mark Vaughn (antigo guru de CM) dizia naquela altura, que uma equipa que quer aproveitar ao máximo o jogo de contra-ataque não pode dar instruções de jogo curto aos jogadores de meio-campo em prejuízo da definição de ataque. Com todas estas tipificações de jogo, fui aprendendo a utilizar da mesma forma essa ideia. Fui aperfeiçoando as instruções e descobri que a melhor forma de utilizar o passe directo é utilizá-lo em conjugação com a temporização rápida (para não permitir veleidades ao adversário) e com comprimento largo para permitir desmarcações sucessivas dos avançados e médios interiores. Nunca deve ser usado na defesa porque em mais de 80% dos casos um passe destes falhado nessa zona é oportunidade quase certa de golo para o adversário. Tudo isto em teoria apenas comprovado com a criação de tácticas que explorem essa temática, onde a táctica de ataque que criei na secção correcta se enquadra mesmo nesse pensamento. É irem ver e tiraram as vossas conclusões.

Passe Misto - Como se pode definir o passe misto? Simples e conciso. Deixar ao critério do jogador o tipo de passe a usar. Nem me vou alongar muito mais aqui porque odeio mesmo a questão de deixar ao jogador decidir que tipo de passe utilizar. Isto porque quem sofre com as derrotas é o treinador, quem é despedido é o treinador, portanto quem tem que decidir que estilo de passe usar é o treinador, e pronto!

Passe Longo - Tipo de passe típico dos centrais pouco tecnicistas, onde existe a preferências por mandar a bola para longe do que tentar controlar e errar em situação crítica. Por experiência pessoal, é exactamente este o tipo de passe que costumo dar aos meus defesas, tanto centrais como laterais, baseando esta minha opinião em jogos em que se tivesse usado este passe teria saído vencedor. Isto porque na zona defensiva, onde a técnica não abunda e se quer que a bola esteja o mais longe possível, deve-se utilizar o meio menos bonito mas mais eficiente de largar a bola que é o passe longo. Muitas vezes se um ou dois dos centrais tiverem bom passe, até podem criar lances de perigo, em contra-ataques que não são esperados pelo adversário. Mas como tudo, cada um tem a sua opinião, e eu também de vez em quando fujo à regra e prefiro dar passe curto aos laterais para desde cedo criarem situações de perigo, desde que devidamente compensados pela presença de um ou mais MDC de cobertura defensiva.

_____________________________________

TEMPO - ou em Portugal Português TEMPORIZAÇÃO

Tempo, o que é o tempo? Dizem que o tempo tem mais olhos que barriga, isso não sei, mas sei o quão importante é a gestão do tempo numa equipa de futebol, a organização de espaços entre linhas, entre colunas de transição e entre marcações de posição e território. Uns perguntam-se para que serve a temporização numa táctica de futebol? Para que serve a temporização de jogo num esquema da equipa? Ui, deveras importante, actuando como principal actor na peça que é a construção de uma táctica eficiente e consistente. Mais do que isso, a temporização é a ligação térrea ao passe, uma ligação intrínseca que nunca pode ser separada em prejuízo do esquema táctico. Existem vários tipos de temporização de jogo, ou contemporização de posse, como por exemplo o lento, o normal e o rápido. Estes três são os editáveis no FM, e nunca podem ser alterados sem antes se olhar para o passe, isto porque quando um muda o outro deve seguir a mesma mudança.

Temporização Lenta - Estilo de jogo usado com passe curto onde se pretende a posse de bola, exerce-se a gestão física da equipa pois cada jogador irá passar a bola ao colega mais próximo e temporizará (pensará) a jogada o quanto puder. É um estilo menos ousado dirão muitos, nomeadamente pela obrigação de esperar pelos erros do adversário pelo tempo que se leva a criar uma jogada, etc... Tendo todos esses factores em conta, uma temporização lenta (com passe curto) serve para controlar a bola, dominar o aspecto de possessão, mas pode-se cair no exagero táctico, que é o de preferir passar, e contemporizar a criar situações de perigo. Ah! Muito importante, para tirarem partido ao máximo desta vertente temporal, a equipa deve ter um bom índice de passe e concentração para que quem controla a bola faça o que for certo. Também se deve contar com um elevado nível de trabalho de campo, porque um jogador indisciplinado e com pouca capacidade de trabalho não irá ajudar nada a equipa neste estilo de jogo, um pouco a exemplo do Roger, que sendo um génio técnico, sempre que se pede a posse e a temporização torna-se num jogador medianamente razoável.

Temporização Normal - Meio-termo temporal, onde a equipa se comede de fazer grandes investidas mas quando a oportunidade surge atacará freneticamente se necessário. É um estilo mais difícil de dominar porque engloba os dois estilos de jogo (directo e curto) e pede uma equipa capaz de jogar nesses dois capítulos. Muito difícil de dominar mas quando dominado é provavelmente o melhor estilo de jogo.

Temporização Rápida - Internamente ligada ao passe directo, pois o estilo rápido é um estilo de jogo onde se privilegia a rápida resolução de ataque, onde a equipa tende a passar o mais depressa possível para a frente de ataque. Um estilo muito, muito rápido que é costume ver-se na Premier League. Utiliza-se este tipo de jogo em situações de desvantagem (em que se quer o mais rapidamente marcar um golo) ou no início dos jogos, onde se quer o mais cedo possível avançar no marcador, para depois poder pausar o jogo. A equipa necessita de boa resistência e condição física porque senão não vão aguentar 90 minutos de jogo assim. Este estilo esquece as boas maneiras, e tenta o mais rapidamente possível chegar à baliza adversária e sempre que tem a posse de bola tenta avançar no terreno ao estilo do Rugby. A temporização rápida funciona exemplarmente com a estratégia de contra-ataque porque jogando contra um estilo curto de jogo pensado a equipa procura tirar vantagem de erros defensivos ou situações de vantagem numérica num determinado espaço do terreno de jogo.

_____________________________________

COMPRIMENTO - Ou o que se faz com ele...

O que é o comprimento de uma equipa? Em que se baseia a sua extensão por todo o campo, ou a sua definição entre cada jogador, entre cada posição a ocupar no terreno de jogo? A noção de comprimento no FM é talvez a mais complicada de explicar porque não é palpável e tão pouco se pode definir num termo simples. Talvez pegando um pouco nas dimensões do campo, o comprimento de uma equipa baseia-se na disposição táctica e posicional que cada jogador adapta, podendo estar mais perto do seu colega de equipa (jogo curto) ou mais longe (jogo largo) dependendo da instrução que o treinador pretende introduzir. Seguidamente e torneando um pouco o estilo de apresentação irei, mostrar primeiro como se define o comprimento curto, depois o largo e finalmente o normal, e vão perceber porquê.

Comprimento Curto - É um estilo requerido normalmente em equipas que preferem o passe curto e temporização lenta, onde cada espaço é ocupado por um jogador que invariavelmente terá perto de si um companheiro a quem passar ou devolver a posse de bola. Utiliza-se mais em situações de controle e posse de bola onde o treinador pretende ter os espaços entre linhas muito fechados e não quer dar espaços de criação à equipa adversária. É costume nestes casos a equipa jogar com uma defesa alta (em certos casos a defesa em linha ajuda) para diminuir o espaço entre o meio-campo e a defesa. Isto porque com um comprimento curto, os laterais irão fazer um jogo mais central de mais entre-ajuda aos defesas centrais, e menos apuro ofensivo (com menos cruzamentos e jogadas pela linha). Os extremos irão também eles ser mais médios interiores (ao estilo de um Nedved) do que avançados, pois ajudarão muitas vezes a linha do meio campo a reter e controlar a bola em vez de seguirem com jogadas na linha que acabam normalmente em cruzamentos para os postes ou passes recuados para a captação e consequente remate. Os avançados funcionaram como lanternas no centro do terreno mais avançado e raramente utilizarão a linha para efectuar alguma jogada de ataque, preferindo as incursões de trás para a frente a imitar um falso número 10.


Comprimento Largo - Basicamente, para se utilizar da melhor forma o comprimento largo tem que se ter laterais e extremos com capacidade para dominar tanto o flanco esquerdo como o flanco direito da equipa. Devem ter passe, resistência, aceleração, cruzamentos e sem bola razoável para pelo menos poderem exercer alguma influência no decorrer do jogo, pois o comprimento largo apoia-se quase a 80% no jogo que se efectua pelas linhas, pelos extremos. Na frente do ataque deve-se ter avançados capazes de jogar a toda a extensão da linha atacante com grande capacidade física e de finalização para poderem trocar posições e correrem por toda a linha ajudando os extremos em toda a acção ofensiva. Tanto os médios centro (defensivos e ofensivos) como os defesas centrais, devem ter grande complacência física para aguentar as investidas do oponente e compensar as saídas dos laterais e extremos nas jogadas de ataque. O comprimento largo é utilizado frequentemente nas equipas da Premier League que jogam em passe directo, temporização rápida e foco no passe pelos flancos isto porque se aproveita ao máximo a velocidade e cadência de jogo para tirar partido das debilidades defensivas da equipa contrária. Teoricamente o comprimento largo faz com que os jogadores tenham mais espaço a seu redor para efectuar passes com de precisão e desmarcações mais rápidas acabando a equipa por ficar mais espalhada no terreno de jogo.


Comprimento Normal - E deixei este comprimento para o fim porquê? Ora bem, simplesmente porque o comprimento normal é um misto de largo e curto, onde a equipa se estende a toda a linha de campo mas se necessário fecha em bloco para não permitir grandes veleidades ao adversário. Usa-se quando se pretende um jogo mais centrado, mais focalizado na posse e no controlo de oportunidades de perigo, porque os jogadores quando puderem irão espalhar mais o jogo mas se for preciso também serão capazes de fechar as linhas e jogar mais perto dos colegas de equipa. Muito importante em alturas em que o oponente usa o contra-ataque como arma principal.


Créditos: CMPortugal

Admin
Admin

Mensagens : 3
Data de inscrição : 04/02/2012

http://fmportugal.foruns.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum